24.11.07

Sombra das palavras

As palavras abandonadas em horas moribundas, gastas em rituais baldados… Palavras que colam o chão de sombras desconcertantes.
Deveria ter escrito, anotado cada instante em que o sentir era o único verbo, em que amar a única acção e o sonho era a única verdade. Deveria ter pregado na palavra os instantes em que envolveste meu nome em magia. Deveria ter travado o rolar dos dias, fixar o fascínio pelas coisas vividas, os olhares quentes, as ruas enegrecidas, a cidade da melancolia em que eu só me perdia...
Surripiaste as minhas palavras. Só a mim me pertenciam. Como ousaste tão soberba audácia?
Já nada me pertence... A não ser o permanente atar e reatar das palavras quebradas. Não as deixarei sucumbir em sombras fugidias.

2 comments:

dina said...

é pa! temos poetisa????

Star Student said...

Eu acho que temos! ;) Toca a escrever, teacher! :)
Beijinho.